quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O INHAME


“Hummmmmmm Nham nham”!!!!

O inhame é um tubérculo, da família da batata-doce e do cará, por isso é encontrado debaixo da terra.
Este melhora o funcionamento do sistema imunológico, a qualidade do sangue e, por ser altamente nutritivo e medianamente calórico, é uma boa opção também para quem está de dieta.
Apesar de existirem  poucas pesquisas cientificas sobre as aplicações médicas e os respectivos resultados, ele já é muito conhecido popularmente, no dito “senso comum”.

O inhame é um rizoma rico em carboidratos sendo uma excelente fonte energética. Também é rico em vitaminas do complexo B e sais minerais como cálcio, fósforo e ferro. É de digestão fácil e rápida. Pertence à família Aracea, assim como o cará e a taioba.
É  uma boa fonte de manganésio, um mineral que ajuda no metabolismo dos hidratos de carbono e é um co-factor de várias enzimas importantes na  produção de energia e de defesas antioxidantes.
É rico em amido, carboidrato, fonte de beta-caroteno, vitamina C, vitaminas B1(importante no crescimento das crianças) e B5 (auxilia o sistema imunológico). Contém minerais, cálcio, fósforo e ferro. É um alimento especialmente recomendado na prevenção de doenças como dengue, malária e febre amarela.
Desintoxicante e depurativo, é recomendado para o tratamento de doenças como reumatismo, artrite, ácido úrico, inflamações em geral, viroses e micoses.
Fortifica os gânglios linfáticos, no tratamento de cólicas espasmos musculares, asma. As suas propriedades Anti-espasmódicas e anti-inflamatório tornam-no útil para tratar cãibras no estômago.
Ele é composto por um fito-hormônio chamado diosgenina,entre outros, que há muito tempo tem sido usado pela indústria farmacêutica em geral.

Para as mulheres esta substância, sob a forma de  “diosgenina transformouse” é um tratamento alternativo para os calores, o ressecamento da mucosa e para o equilíbrio hormonal.  
Também ajuda a reduzir a irritabilidade durante a tensão prémenstrual", que no fundo não passa dum desequilíbrio do corpo provocado pelo estilo de vida que se leva, sobretudo o estilo de alimentação.
Este tanto pode ser utilizado na culinária como em tratamento externo sob a forma de cataplasmas na pele.

Na culinária:

Apesar de algumas pessoas afirmarem que este pode ser consumido todos os dias, eu não o recomendo pois que sendo este um tubérculo que para além de alimentar, desintoxica o organismo e sendo a desintoxicação feita basicamente através dos intestinos e nos rins, pode haver uma sobrecarga dos mesmos e podemos adoecer seriamente.

Também não recomendo que ele seja consumido cru, pois creio que é muito forte e duvido que tenhamos capacidade do assimilar sob esta forma.

A forma mais simples é de cozê-lo com casca como se fosse uma batata e depois descascá-lo, cortá-lo e servir com um pouco de azeite ou um molho de tahin, miso, etc.
Mas também fica muito bem em croquetes, puré, patés, tartes, sopas (em especial na sopa de miso) etc. Pode ainda ser frito.

Cataplasmas:

Segundo o professor  Tomio Kikuchi em “Autocuraterapia” o cataplasma de inhame é utilizado contra dores, inflamações, doenças internas febris e inflamativas, contusões com ferimento etc

Por incrível que possa parecer é também é muito útil para a trair objetos estranhos para fora do corpo como por exemplo espinhos, estilhaços de vidros e até gases esquecidas dentro do corpo em cirurgias.
Antes de o aplicar devemos colocar um pouco do inhame no dorso da mão para ver se produz irritação da pele. Se assim for, convém passar primeiramente óleo de sésamo sobre a pele e posteriormente aplicar o cataplasma.

Como comprar:
Como em tudo na vida, é importante saber comprá-lo, ele encontra-se muito em hipermecados juntamente com os legumes exóticos como a mandioca, etc
eles devem ser firmes, eu prefiro os mais de tamanho médio e os mais redondos. Se tiverem áreas amolecidas ou sinais de brotação (acontece muito no verão), devem estar estragados. O inhame não precisa ser conservado no frigorífico, desde que fique num local arejado. Dura até 10 semanas, mas, se for  guardados no congelador, chegam a resistir por seis meses.

Como podem ver este é um tubérculo fantástico que nos faz esquecer a batata.
E quando o provarem não vão querer outra coisa, sim porque tal como disse no início “Hummmmmmm Nham nham nham”…..
 É UMA DELÍCIAAAAAAAAAAAA!!!!!!!

Fontes:
Livro “Autocuraterapia” Tomio Kikuchi Musso publicações
A minha experiência de 25 anos de estudo

Aquele Abraço
Palucha




Enviar um comentário